Blog do jovino machado


26/06/2011


DE MARCELO MIRISOLA PARA JOVINO MACHADO

 

Livros 

 

 

Oi Jovino,

 

Recebi seus livros e o jornal A Parada. Gostei mais das poesias do Cor de Cadáver.

 

 

Entrevista no Cronópios 

 

 

Oi Jovino,

 

 

Até agora : 1580 visitas. Tá em primeiro lugar. Só faltou dizer que eu tenho o pau grande. Não sei como você vai fazer, mas seria interessante passar essa informação para as suas alunas de 17 e 18 anos.

 

 

Ninfetas

 

 

Ah, tá. Todas as mulheres do mundo deviam ter 19 anos. Agora quero ler a entrevista do Reinaldão.

 

 

Comida

 

 

Você tem restaurante ? Me ganhou. Quero comer torresmo mineiro.

 

 

Minha Nina

 

 

A primeira lembrou uma música do Moska ( ? ) que ele contrapõe a porralouquice do " autor " e a caretice da mulher por quem se apaixonou. Essas mulheres, a meu ver ( que a poesia e o poeta me perdoem ) são as melhores. De resto, no alvo.

 

 

Pro dia nascer feliz

 

 

Jovino, esse trio, Vanusa, Antônio Marcos e Débora Duarte são uma das coisas mais bonitas dos anos setenta. Mais o Belchior e as manhãs de setembro, é claro. Abração e ótimo domingo pra você.

 

 

MM

Escrito por Jovino Machado às 23h06
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

20/06/2011


DE CARLOS HERCULANO LOPES PARA JOVINO MACHADO

 

Meu caro Jovino,

 

 

Das várias oportunidades que tive de ir à Montes Claros - a maioria delas participando de eventos literários - pude conhecer e conviver com vários autores da cidade. Em uma das minhas idas por lá - creio que em outubro passado, quando fui falar para os alunos do " Indyo ", tomei conhecimento do seu trabalho, agora já não me lembro através de quem; mas sei que li um poema seu. Senti em "Saciedade dos poetas vivos " - que agradeço a sua gentileza ao enviá-lo a mim -  um grande salto na sua poesia, em relação ao livro anterior : ela está mais solta, leve, segura e você com mais firmeza manejando o leme. Por outro lado o livro ficou muito bem feito, e tem muita gente boa participando. Fiquei muito contente com a sua presença no lançamento de O último conhaque.

 

 

Um grande abraço e a amizade do,

 

 

Carlos Herculano Lopes

BH. Julho 1995

Escrito por Jovino Machado às 15h42
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

19/06/2011


FELIZ ANIVERSÁRIO CHICO BUARQUE

 

FUTUROS AMANTES

 

Não se afobe, não

 

Que nada é pra já

 

O amor não tem pressa

 

Ele pode esperar em silêncio

 

Num fundo de armário

 

Na posta-restante

 

Milênios, milênios

 

No ar

 

E quem sabe, então

 

O Rio será

 

Alguma cidade submersa

 

Os escafandristas virão

 

Explorar sua casa

 

Seu quarto, suas coisas

 

Sua alma, desvãos

 

Sábios em vão

 

Tentarão decifrar

 

O eco de antigas palavras

 

Fragmentos de cartas, poemas

 

Mentiras, retratos

 

Vestígios de estranha civilização

 

Não se afobe, não

 

Que nada é pra já

 

Amores serão sempre amáveis

 

Futuros amantes, quiçá

 

Se amarão sem saber

 

Com o amor que eu um dia

 

Deixei pra você

Escrito por Jovino Machado às 13h43
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

13/06/2011


DE MILENA DE ALMEIDA PARA JOVINO MACHADO

 

meu encanto

 

tem a cor da flor de prata

 

que chegou pelo correio

 

na promessa de " ano bom "

 

dia em que me encontrou o poeta

 

e adivinhou em versos

 

a nossa comunhão

 

 

beijo  

 

                    Milena

 

 

Milena de Almeida nasceu em Belo Horizonte em 1980. Jornalista e editora da MININAS, publicação de bolso de literatura e artes visuais. A revista, gratuita, é distribuída em BH, São Paulo e Paris.

Escrito por Jovino Machado às 17h16
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

10/06/2011


DE GLAUCO MATTOSO PARA JOVINO MACHADO

 

SP - 12 / 1992

 

Jovino : 

 

Obrigado pela revista e pela carta. Quanto à revista de cara é igual a todas as outras publicações do gênero, mas o conteúdo varia conforme as cabeças de quem edita & colabora. A sua cabeça, p. ex. parece bem " arejada " & jovial, apesar do tom meio deprê dos teus poemas ( o que não lhes tira o mérito, só analiso o estado de espírito ). Mas já que você diz que sentiria " alegria " com um livro meu, entãovamos melhorar o teu astral. Não precisa pagar nada ( em $ ), exceto me retribuindo com o formato do teu pé no papel como este. Acha estranho ? Pois é, pra ser meu amigo tem que compartilhar ( ou pelo menos não estranhar ) certos gostos esquisitos meus. Mas como você é mineiro e os mineiros têm uma sensibilidade especial no pé ( quem diz isso não sou eu, são os mineiros ) vai entender minha sensibilidade do nariz e da língua quanto ao pé. Claro que, pra entender mesmo, cê teria que ler minha " autobiografia ", da qual tenho exemplar disponível, caso queira. Bem, voltando aos poemas, gostei deles, apenas não costumo comentar por escrito o mérito literário de outros autores. É costume meu. Quanto à sua paixão pela paulicéia, é fundamentada ( isto é, você conhece a cidade ) ou uma afeição à distãncia ? Esta cidade é meio ingrata com quem a ama ( como eu ). Finalmente, cumprimentos ao seu professor pela mentalidade atualizada. A propósito : você lia tudo que eu escrevia na Chiclete ? Se lia, já tá vacinado ...

 

 

Abracadabraço do Glauco

 

 

Glauco Mattoso é autor dos livros de sonetos : Paulisséia ilhada, Geléia de rococó e Centopéia, entre outros. Editou o Jornal Dobrabil.

Escrito por Jovino Machado às 17h27
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

06/06/2011


DE RADUAN NASSAR PARA JOVINO MACHADO

 

Jovino, li no dia da criação com uma ponta de inveja. Não vou disputar com você a primazia de ter sido o último, mas, à tua frente, lembra ?, era eu o penúltimo da fila. Por essa proximidade nas origens, e de tanto subir e descer ladeiras, senti boa parte dos teus poemas como se fossem um pouco meus. Não esquecer : deus continua em crise, prenons garde !, pelo menos até que a gente se salve daqui.

 

Obrigado pelo Samba e um abraço de amigo ( nada urbano ),

 

SP, 13.03.01

 

 

Raduan Nassar é paulista de Pindorama, onde passou a infância. Adolescente, veio com a família para São Paulo, onde cursou Direito e Filosofia na USP. Exerceu diversas atividades, estreando na literatura em 1975 com Lavoura arcaica. Três anos depois, publicava a novela Um copo de cólera. Em 1997 publicou o volume de contos Menina a caminho. Apesar do êxito incomum que os livros alcançaram, Raduan Nassar abandonou a literatura.

 

Escrito por Jovino Machado às 16h49
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

04/06/2011


DE AROLDO PEREIRA PARA JOVINO MACHADO

 

Rio - RJ - 3 horas  da madrugada - 20 - 06 - 1983

 

Oi Jojô, tudo bem minino ?

 

Tô aqui já com sono, mas vou te escrever antes de ir dormir. Já escrevi 3 cartas. A sua é a quarta. Fui na estréia do Gente Festeira lá em B. Lô no Teatro Francisco Nunes. Foi legal. Tinha uma tremenda platéia. O Tino tava soltíssimo e fez a festa. A banda q. tá tocando com ele é muito boa. Ele fez uma homenagem muito bonita ao Hermes de Paula. A moçada de B. Lô adorou o show.

 

Beijos pro Matias Barbosa.

 

Sábado passado fui ao show do Kiss no Maracanã. O show foi ensurdecedor. A banda fez um barulho da porra. Expolodiu canhão e o cacete. Zoeira total. Mas o Maraca tava tão cheio q. não tinha espaço nem pra dançar. Parecia mais um super formigueiro. O Herva Doce abriu o show pro Kiss. O Maracanã em peso cantou Herva Venenosa. Tremenda doidera.

 

Caê e Mick Jagger na Manchete foi ótimo.

 

Peninha, o baterista do Herva, chegou pra mim e perguntou: Cê viu quem fechou nosso show. Risada geral. Cheguei de madrugada do show UNS do Caê no Canecão. Hoje o Caê encerrou a temporada carioca e por esses dias ele viaja pro exterior. Vai fazer uma turnê européia. Maior luxo. O show do minino tá lindo. Ele tá arrasando ! Abriu o verbo no show : meteu o pau na crítica, na caretice, em nós, no Brasil, nele próprio, no Tárik, no falso moralismo e fechou. Falou palavrão a pampa ! 1 barato. O Moreno cantou com ele e foi lindo. Tava tudo incrível, bicho. Djavan  tava lá, Elba Ramalho, Regininha Casé, a moçada do Barão Vermelho ( o Caê cantou uma música deles ) todos os atores da Globo, Aroldo Pereira e mais uma pá de gente linda. Tô com umas fotos chocantes pra te mostrar. Tem Caê com Bruna, Caê e a Glória ( a Píres ), Caê sozinho, Bethânia e Lídia Brondi. 1 barato as fotografias. 3 é ruim, 2 é bom, UNS é demais. Tô levando uma lembrancinha de UNS procê. Tchau. Vou dormir agora. Te gosto. Beijos procê,Gabriel, Mauro, Liz, Ray, Big, Célio, Row, Vitório, Márcio, Sidney, Poeta, Zacarias e todos.

 

Lhes amo.

 

Aroldo Pereira.

 

 

Aroldo Pereira nasceu em Coração de Jesus ( MG ) e mora em Montes Claros. É curador e inventor do Salão Nacional de Poesa Psiu Poético. Publicou os livros de pemas : Azul Geral, Cinema Bumerangue e Parangolivro, entre outros.

Escrito por Jovino Machado às 10h20
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

01/06/2011


DE MARIA RITA KEHL PARA JOVINO MACHADO

 

Oi Jovino,

 

Gostei dos seus poemas pelo lirismo sincero ( coisa rara num poeta ), pela extrema juventude que pulsa neles, pela veia moderna, a la Bandeira que encontro nos poemas mais contidos, pela ternura drummondiana e de outros mineiros. Você é um poeta que fala ao coração, e sua inspiração é verdadeira.

 

Boa sorte.

 

14 de julho de 1994

 

Maria Rita Kehl é psicanalista, poeta e ensaísta. É autora dos livros de poemas : Imprevisão do Tempo, 1979, Editora Pindaíba; O Amor é uma Droga Pesada, 1983, Editora Vertente e Processos Primários, 1996, Estação Liberdade. Escreveu diversos artigos para a Revista Playboy e outras publicações.

 

Escrito por Jovino Machado às 18h02
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Perfil

Meu perfil
BRASIL, Sudeste, BELO HORIZONTE, BARROCA, Homem, de 36 a 45 anos, Portuguese

Histórico